3 de novembro de 2018

AROMATERAPIA PARA SEU BICHINHO DE ESTIMAÇÃO


Quem tem animal de estimação em casa sabe o quanto eles podem fazer parte da nossa vida. São como filhos, nos preocupamos, levamos ao médico, damos água, comida e muito, mas muito carinho e amor! A certeza? É que todo esse cuidado será retribuído com o sentimento mais puro e verdadeiro que você possa conhecer.
Então aqui vai uma dica para quem está com algum probleminha com seu pet: AROMATERAPIA para o bem estar dos bichinhos. Sim! Dica para os “naturebas”, aqueles que valorizam a arte de extrair na natureza os benefícios para a nossa saúde e, porque não, a saúde dos nossos queridos companheiros também!
“É um método natural de promoção de saúde física e psíquica que também pode ser utilizado nos animais de estimação”. É o que fala uma das primeiras pessoas a disseminar o conceito da aromaterapia no Brasil, Sâmia Maluf.
A especialista reconhece que a ideia pode parecer estranha. Mas, diante de tantas outras estranhezas que se têm visto para os animais, como sapatos, carrinhos de bebês e até objetos folheados a outro (oi?), esse conceito está longe de parecer estranho.
“Na verdade, é uma das maneiras mais lógicas e sensatas para ajudar os animais de estimação a serem saudáveis e felizes, pois eles têm a sensibilidade muito aguçada”, conta Sâmia.

VAMOS AO QUE INTERESSA!

A aromaterapia pode ajudar na higiene, em problemas físicos – como respiratórios e dermatológicos – e em problemas comportamentais, como medos, agressividade e estresse. “Quando um cão cheira um óleo essencial, as moléculas passam através de seu sistema olfativo para a área límbica do cérebro, que lida com o instinto, a emoção e a regulação de muitos sistemas e órgãos, como a resposta anti-inflamatória”.
Mas vamos com calma. Gatos são mais sensíveis a aromas do que cães e, dependendo do animal, muda a quantidade de óleo usado no tratamento. Em pássaros, por exemplo, o tratamento deve ser feito por difusão no ambiente ou por uso tópico, se houver algum ferimento. Nunca devem ingerir a substância.

COMO USAR
Para a difusão, os óleos essenciais devem ser diluídos em óleos vegetais. “Utilize água com um solubilizante, que pode ser álcool de cereais ou vinagre de cidra”.  Se o recomendado for a inalação, utilize algumas gotas em um pedaço de algodão e aproxime do pet.

Para acalmar, higienizar e nutrir a pele dos cães
Misture 30 gramas de Óleo de Coco Extra Virgem, cinco gotas de Óleo Essencial de Lavanda e 10 gotas de Óleo Essencial de Tea Tree. Espalhe no animal.

Para higienizar os dentes dos cães
Misture uma colher de Óleo de Coco Extra Virgem, três gotas de Óleo Essencial de Tea Tree, uma colher de café de Argila Branca e uma gota de Óleo Essencial de Hortelã Pimenta. Escove e, com uma espátula especial, retire o tártaro dos dentes. Assim não causa machucado e sangramento.

Para tratar problemas respiratórios em pássaros

Colocar em um aromatizador elétrico 10 gotas de Óleo Essencial de Tea Tree, cinco gotas de Óleo Essencial de Eucalipto glóbulos e cinco gotas de Óleo Essencial de Hortelã Pimenta. Deixar aromatizando o ambiente.

Para acalmar papagaios e pássaros estressados
Em um aromatizador elétrico use 10 gotas de Óleo Essencial de Lavanda, cinco gotas de Óleo Essencial de Palmarosa e cinco gotas de Óleo Essencial de Ho Leaf.

Para tratar o estresse em gatos
Coloque no aromatizador elétrico uma mistura de 10 gotas de Óleo Essencial de Ho Leaf e 15 gotas de Lavanda. Eles acalmam, diminuem a agitação e o medo que causam estresse. Também é útil no caso de sensibilidade a ruídos.

Fonte: by Samya

17 de agosto de 2018

Os Benefícios do óleo de Tea Tree (melaleuca)

 
As propriedades medicinais do óleo de tea tree são conhecidas por centenas de anos pela tribo australiana de aborígines Bundialung. Eles tratavam muitas afecções com macerados das folhas da árvore e costumavam nadar na lagoa onde as folhas caídas haviam tornado a água um banho terapêutico.
 
Aromacologia
Traz sensação de clareza, limpeza e purificação.
 
Indicações: unha preta, com micoses, descamando ou encravada, pé de atleta (1 a 2 gotas 2 X ao dia no local por 1-2 meses) e seassociado meio a meio com o óleo de cravo da índia obtém-se resultados ainda melhores; sinusite infecciosa (inalações 3-6 gotas); garganta inflamada, laringite e amidalite (1-2 gotas num copo com água para gargarejo); caspa, seborréia (cerca de 25-40 gotas para cada 100ml de shampoo, lavar e deixar no cabelo por pelo menos 3 minutos); impetigo, ptiríase, psoríase, candidíase ou tricomoníase vaginal, coceira genital e nas virilhas, líquen (gel 0,5-2% uso local ou 3 gotas em 100ml água passando com algodão na área); herpes ou sapinho (puro no local); cistite, infecções em geral, candidíase reincidente, enterite, etc (2-3 gotas 3X ao dia em uma colher de sopa de água internamente, por cerca de 1 semana).
 
Dentre os diversos tipos de usos que o óleo possui, podemos dizer que o mais interessante é na eliminação de bactérias causadoras de infecções. Pesquisadores australianos demonstraram uma ação rápida em vitro, de menos de uma hora sobre todas as bactérias das colônias estudadas, em diluições que variavam de 0,5% até 1,25% conforme o tipo de microorganismo (veja tabela 3.8). Eles estudaram a ação do tea tree sobre um tipo de “supermicróbio”comumente resistente à meticilina ou MRSA, o taphylococcus aureus, uma bactéria hospitalar que não responde a antibióticos e mata pacientes em todo o mundo. Descobriram que apenas uma pequena quantidade do óleo de tea tree (uma concentração de 0.25%, equivalente a 5 gotas em 100ml água), foi suficiente para inibir o crescimento bacteriano;com o dobro da dosagem (0.5%), ele mata esta bactéria. Desta forma, não só o uso do tea tree na eliminação de infecções é válida, mas também seu uso na purificação de água e alimentos (como alternativa ao cloro) e no ar (em difusores ou ar condicionado) encontra grande valia.Uma das vantagens de se recomendar o óleo de tea tree como antiséptico, é que é impossível para um micróbio infeccioso criar resistência a ele. O óleo possui uma complexidade química tão grande, com mais de 100 componentes, que uma bactéria não consegue modificar seu sistema enzimático para lidar com isso. Esta é hoje uma das grandes vantagens do uso do tea tree em substituição aos antibióticos convencionais, que a cada dia perdem mais ação pelo fato dos micróbios estarem desenvolvendo resistência a seus efeitos, exigindo assim o uso de drogas cada vez mais fortes e prejudiciais.
Hoje o tea tree é considerado um recurso valioso dentro da odontologia no tratamento de doenças bucais e na prevenção da cárie. Pesquisadores brasileiros da Escola Dentária de Piracicaba (via UNICAMP), demonstraram ser o óleo de tea tree mais eficaz que a clorexidina e o óleo de alho no combate a bactérias bucais. Apesar de todos os três mostrarem atividade antimicrobial sobre Streptococci mutans, agente causador de cáries, somente o tea tree apresentou resultados nos outros tipos de bactérias. A clorexidina é em geral indicada para a redução da flora microbiana, sendo utilizada em produtos para desinfecção das mãos, tratamento de infecções na área bucal, genital e da pele. Sendo o tea tree de ação mais ampla que esta substância, o seu uso em soluções alcoólicas ou em gel para assepsia e tratamento dos problemas citados é uma alternativa de grande valia.
No tratamento da candidíase (Candida albicans) o tea tree é infalível. Experiências da Universidade de Hacettepe, Turquia, demostraram ser ele eficaz não só sobre a candidíase normal, mas também sobre a candidíase resistente aos medica-mentos usualmente utilizados como a fluconazola. Hoje a candidíase é um problema que ataca um grande número de pessoas, e uma das formas mais comuns tem sido a vaginal, que ocasiona coceiras e desconfortos. Outros estudos da Escola Médica da Universidade de Wayne, EUA, demonstraram em pesquisa similar um potencial do tea tree no tratamento da candidíase orofaringeal refratária à fluconazola em pacientes com AIDS. O herpes labial (Herpes simplex) é outro problema tratável com o óleo de tea tree em diluições de 6%.
O uso veterinário do tea tree é outra alternativa de valor. Ele demonstrou grande eficiência numa pesquisa alemã na eliminação de diferentes tipos de microorganismos (ex. Malassezia pachydermatis) cau-sadores de dermatite seborréica e micoses, especi-almente em cães e gatos.
O tea tree apresenta também bons resultados em caspa, queda de cabelo e seborréia, eliminando a maior parte das bactérias e fungos que vêm associados com estes problemas como Pityrosporum ovale e trichophyton sp. Já existem no mercado shampoos de tea tree empregados no tratamento de piolhos, o que dá excelentes resultados. Diluições de cerca de 5% mostraram-se muito úteis para isso e sem efeitos adversos.
O tea tree também demonstrou bons resultados em inflamações do ouvido (otite). Nós particularmente temos tido excelentes resultados com este óleo, principalmente quando casado com cipreste (Cupressus lusitanica) e/ou tomilho (Thymus vulgaris timol), no tratamento de inflamações (acne, abcessos e furúnculos), sendo para estes problemas utilizado puro no local ou diluído em álcool ou gel. 

Fonte: Fábián László Flégnér - Fitoaromatologista

30 de julho de 2018

Os benefícios da Moxabustão






É um antigo e tradicional método terapêutico, no qual a Artemísia Vulgaris (ou outras ervas) é queimada sobre a pele ou acima dela nos pontos de acupuntura, com a finalidade de aquecer o QI e o sangue nos canais de energia, sendo útil, portanto, no tratamento de doenças e na manutenção da saúde. 
O aquecimento dos pontos fornece calor e energia para o corpo. Por isso a moxabustão é indicada para as doenças provocadas pelo frio e pela umidade (muito usada nos países frios e no inverno), e para situações com deficiência de energia (convalescentes, doenças crônicas, pessoas fracas e idosos. 
As contra-indicações são em doenças febris, pacientes com pressão arterial elevada, estômago vazio ou que tenha ingerido álcool. Evitar usar ni período menstrual. 

AROMATERAPIA PARA SEU BICHINHO DE ESTIMAÇÃO

Quem tem animal de estimação em casa sabe o quanto eles podem fazer parte da nossa vida. São como filhos, nos preocupamos, levamos ao...