2 de abril de 2017

Os benefícios da Ventosaterapia





O que é Ventosaterapia

É um método que visa tratar doenças causando uma congestão local por meio de um vácuo parcial que é criado nas ventosas, geralmente provocado pelo calor e que são então aplicados na pele puxando para cima. Em face do vácuo formado, forma-se a êxtase sanguínea, a drenagem do sangue.
É uma técnica usada há centenas de anos no oriente e foi usada por Hipócrates, o pai da medicina.
Eu particularmente, em meu espaço, não uso método que retira sangue. Pode-se usar apenas a técnica do tratamento negativo, o qual consiste na pequena sucção, acelerando a respiração sanguínea, com a troca do gás carbônico. Consiste em trazer as células doentes do sangue, do interior do corpo, para a superfície, através de fortes absorções, e com isso, o sangue estagnado é eliminado pela superfície da pele.
Não tem efeitos colaterais, ocorre uma sensação de bem-estar após a sessão, em face da melhor oxigenação do sangue.

As características do "Tratamento Negativo" são:

- Mantém o ph do sangue entre 7,2 a 7,5, aumentando a vida média dos glóbulos vermelhos.
- Limpa os glóbulos vermelhos degenerados.
- Aumenta o nível de cálcio no sangue
- Fortalecimento dos vasos.
- Ativa a secreção hormonal.
- Acelera a digestão.
- Elimina a dor.
- Abaixa a febre.
- Combate a tosse.
- Trata intoxicação por substâncias químicas, remédios e gases.
- Elimina as toxinas.
- Acalma o nervosismo.
- Bom para doenças de Rim e de Fígado.
- Controla hipertensão e arteriosclerose.
- Controla a alergia.
- Fácil de aplicar.

Dependendo do estado de saúde da pessoa, após a aplicação pode aparecer manchas que desaparecem em alguns dias. Quanto mais saudável for a pessoa, mais fraca a coloração.
Quanto mais intoxicado e doente, mais forte a tonalidade, levando mais tempo a desaparecer..
Pode-se usar ventosas móveis ou fixas. A força de sucção, o número de ventosas e a duração do vácuo devem ser adaptadas às condições de saúde e resistência física do paciente. A duração  pode variar de 30 segundos até 3 minutos. Em cada local, aplica-se a ventosa de 2 a 8 vezes.

Contra-indicações

Febre, cólicas, convulsões, doenças de pele, alergias, anemia, espasmos, úlceras, distúrbios hemorrágicos, pacientes com fraturas, mulheres menstruadas e no abdôme e região lombar de gestantes. Evitar usar nas articulações e nas áreas com pele flácida, ou áreas onde o músculo é fino ou a pele não é plana por causa dos ângulos e depressões ósseas, pois há dificuldade para manter o vácuo nestas regiões.

23 de janeiro de 2017

Os benefícios da cromoterapia







Usada desde a antiguidade, a cromoterapia é uma ferramenta para harmonizar os distúrbios orgânicos e emocionais através da utilização das cores.
Os egípcios construíram a cidade colorida Heliópolis (cidade da luz), onde as cores também eram aplicadas nos tratamentos de saúde. Ensinavam que as cores vermelha, amarela e azul eram forças ativas dos seres físicos, mentais e espirituais. Os gregos também utilizavam as cores com fins curativos.
O Dr. Max Luscher, cientista que trabalha nesse mesmo campo, estudou as cores preferidas das pessoas. Concluiu que na reação dos indivíduos às cores há significados que transcendem as diferenças culturais e são profundamente enraizados. Comprovou que a preferência de cor pode indicar o estado mental de uma pessoa, bem como algum possível desequilíbrio glandular. Mesmo as pessoas cegas são afetadas pelas cores. Pesquisas feitas na Rússia demonstraram que os cegos podem identificar as cores pelo tato.Dizem, por exemplo, que sentem o vermelho mais quente, áspero e dinâmico, e o azul lhes parece macio e fresco.
Na atualidade, as cores tem sido usadas em vários objetivos terapêuticos. Maternidades estão usando a luz azul no tratamento de crianças recém-nascidas com icterícia. A luz azul tem um ótimo resultado sobre este caso, sendo que antes a única opção era uma arriscada transfusão de sangue.
Os quartos pintados de cor-de-rosa usados para acalmar prisioneiros violentos nos Estados Unidos são exemplos do efeito da cor sobre o indivíduo.

O uso das cores - Roupas coloridas

Há vários motivos que nos levam a escolher uma cor específica, como por exemplo, ao acordarmos: influenciados pelas impressões vívidas do inconsciente, optamos por uma determinada cor de roupa. Nosso inconsciente traz as lembranças dos dias anteriores para nossas emoções, ou os sonhos da noite. Dessa maneira, se acordarmos dispostos ou agitados, nossa tendência será escolher uma roupa de cor quente como o vermelho. Entretanto, devemos usar o bom senso, optando por uma cor de tonalidade suave para prolongar o estado de disposição.
Se ao acordarmos ainda estivermos sonolentos e cansados, deveremos evitar o tom azul para evitar o prolongamento da letargia. Nesse caso, deverá preferir os tons em vermelho, laranja ou amarelo que nos leva mais rapidamente a disposição física para as tarefas diárias.

Aplicações da Cromoterapia

Entre as diversas utilizações da cromoterapia, a mais conveniente é a aplicação de um foco luminoso diretamente sobre o corpo.
A aplicação do foco de luz é utilizada, sobretudo por clínicas especializadas e pode ser acompanhada de outras formas terapêuticas, como a musicoterapia e as massagens. Outras formas são a escolha das cores de roupas e das tonalidades usadas na decoração da casa e até mentalização de cores.
As clínicas utilizam um spot para irradiar o foco de luz colorida sobre o cliente deitado de costas.

Dicas de tratamento específico

Sistema nervoso - Para beneficiar o sistema nervoso, imagine a cabeça envolvida por um azul índigo metálico muito brilhante. Pratique o exercício por 5 minutos.
Para relaxar e combater a insônia, mentalize uma luz violeta metálica, viva e pulsante, que envolve a cabeça e irradia-se por todo o cérebro.

Os efeitos das cores

Vermelho - Simboliza o princípio da vida. Rege o primeiro chakra, chamado de básico, estimulante, produz impulsividade. Indicado para casos de depressão, anemia, fraqueza, pressão baixa, impotência sexual. Por ser uma cor quente, estimula a circulação, levando calor às artérias. Aumenta a pressão sanguínea e o ritmo respiratório. Contraindicado em casos de pressão alta, neste caso, preferir a cor laranja. Também deve ser evitado em casos de paranóia, esquisofrenia com agitação, nervosismo, insônia, doenças do fígado e vesícula biliar.

Verde - Representa o equilíbrio da harmonia do corpo, é a cor da firmeza, perseverança, segurança. Mais conhecido como a cor da esperança, o verde também estimula o amor próprio e o orgulho.É excelente para qualquer aposento, sendo calmante e energético ao mesmo tempo. Como cor predominante da natureza, é excelente para o estresse. É indicado para depressão crônica, falta de memória, crianças desatentas, medo do fracasso, prisão de ventre. É a cor do quarto chakra (cardíaco). É contraindicado em hipocondria, sadismo, masoquismo, megalomania, úlceras e cólicas menstruais.

Amarelo - É a cor da vivacidade, do desprendimento e da leveza. Produz relaxamento, desinibição, alegria e espiritualidade. Psicologicamente, o amarelo está ligado à liberação da carga da responsabilidade excessiva, à redução dos complexos, das preocupações e ansiedade. O raio amarelo é responsável pela condução do fluxo magnético positivo que, além de fortalecer os nervos, ajuda o cérebro.Suas indicações são: manias, preocupação excessiva, estafa mental, choro excessivo e constante, falta de confiança no futuro, colites nervosas e doenças psicossomáticas em geral.Contraindicado em doenças mentais, infantilidade, síndrome de Down, atraso menstrual, crianças com distúrbio de fala.

Laranja - É a cor da felicidade, a cor social, equilíbrio emocional, automotivação, entusiasmo. É excelente para remover as as inibições, repressões e condicionamentos do passado. É uma combinação do vermelho e do amarelo. Seu poder de cura é maior que das duas cores isoladamente. Possui efeito antiespasmódico, sendo portanto aplicado a casos  de espasmos e câimbras. Fortalece os pulmões, tonifica o estômago e ajuda no metabolismo do cálcio. É contraindicado em caso de abuso de poder e egocentrismo.

Azul - É a cor de maior propriedade terapêutica, suave, que produz calma e equilíbrio. Estimula a busca da verdade interna, inspiração, ligação com eu superior. Reduz a pressão cardíaca, possui efeito hipnótico no sistema nervoso central. Indicado nos casos de estresse, estafa, pressão alta, obesidade, taquicardia, palpitação, nervosismo, ira, ciúme, medo, ansiedade, alcoolismo, convulsões, esgotamento nervoso e neuroses.

Preto - É a cor da introspecção. Enquanto o branco é aberto o preto é fechado. Representa a escuridão do inverno, quando a vida dorme e germina. Favorece a autoanálise. Por representar o isolamento, é contraindicado em caso de tristeza excessiva, depressão, senilidade, paranóia. Apesar de ser tradição o uso do preto em caso de luto, o amarelo seria mais bem indicado.

Violeta - É uma cor resultante da mistura do vermelho com o azul. Está associado à mediunidade e intuição. É uma cor feminina, transmite misticismo, identificação cósmica, produzindo equilíbrio  entre o sistema simpático e parassimpático. Detém o crescimento de tumores. É eficaz nas pessoas nervosas e excitadas. Contraindicado em psicoses, vícios de drogas, alcoolismo, hipoglicemia, fanatismo, dispersão mental.

Bibliografia
Cromoterapia - A cor e você, Valcapelli, Editora Roka
Dinâmica da cromoterapia - René Nunes, Linha Gráfica Editora
As cores em sua vida - Howard & Dorothy Sun, Editora Madras

21 de dezembro de 2015

Música pode ajudar coração e circulação





Musica pode ajudar coracao e circulacao, diz estudo.

Pesquisadores da Universidade de Pavia, na Italia, afirmam que o tipo certo de musica pode desacelerar o coracao e abaixar a pressao sanguinea.

Musicas vibrantes como Nessun Dorma, de Puccini, que e cheia de crescendos e diminuendos, sao melhores para ajudar na reabilitacao em casos de derrames, de acordo com os estudiosos.
Melodias com ritmo mais acelerado aumentam os batimentos cardiacos, o ritmo respiratorio e a pressao sanguinea. Ja a musica com ritmo mais lento gera o efeito contrario nos pacientes, segundo os pesquisadores.
A musica ja e usada em muitos hospitais britanicos por uma terapia barata e facil de aplicar e tambem por gerar efeitos fisicos perceptiveis no organismo, alem de ter um impacto positivo no humor do paciente.
O estudo dos pesquisadores italianos foi publicado na revista especializada Circulation.
Respostas as musicas
O medico Luciano Bernardi e sua equipe de pesquisadores da Universidade de Pavia pediram a 24 voluntarios saudaveis que ouvissem cinco faixas de musicas classicas, escolhidas aleatoriamente, e monitorassem as respostas de seus corpos.
Entre as musicas escolhidas estavam a Nona Sinfonia de Beethoven, uma area de Turandot, de Puccini, a Cantata nº 169 de Bach, Va Pensiero, da opera Nabuco, de Verdi, e Libiam Nei Lieti Calici, de La Traviata, tambem de Verdi.
Cada crescendo destas musicas, um aumento gradual do volume, "estimulava" o corpo e levava ao estreitamento dos vasos sanguineos abaixo da pele, aumentando a pressao sanguinea e os batimentos cardiacos, alem de provocar um aumento das taxas respiratorias.
Por outro lado, os diminuendos, diminuicao gradual do volume, causavam o relaxamento, diminuindo os batimentos cardiacos e diminuindo tambem a pressao sanguinea.
"A musica leva a uma mudanca dinamica e continua - e previsivel, ate certo ponto - no sistema cardiovascular", afirmou Bernardi. "Essas descobertas aumentam nossa compreensao de como a musica pode ser usada na medicina de reabilitacao."
Musica e silencio
Os pesquisadores testaram varias combinacoes de musica e silencio nos voluntarios e descobriram que as faixas que alternam entre ritmos rapidos e mais lentos, como operas, parecem ser as melhores para a circulacao e para o coracao.
As arias de Verdi, que seguem frases musicais de dez segundos, parecem se sincronizar perfeitamente com o ritmo cardiovascular natural, de acordo com o estudo.
"Observamos grandes beneficios (do uso da musica) para pessoas que tiveram derrames ou ataques cardiacos. O poder da musica e simplesmente incrivel", afirma Diana Greenman, diretora executiva da organizacao Music in Hospitals.
A instituicao de caridade britanica especializada em levar musica ao vivo a hospitais, asilos e casas de repouso, foi criada logo depois da 2ª Guerra Mundial para ajudar os veteranos feridos.
"Ja observamos, em pesquisas anteriores, um estado emocional positivo, que pode ser desencadeado ao ouvir musica, e que pode ajudar sobreviventes de derrames", disse um porta-voz da associacao britanica especializada em tratamento de derrames, Stroke Association.

29 de setembro de 2015

Por que as estatinas são uma faca de dois gumes?

Com informações da American Physiological Society

Estatinas
O sucesso das estatinas na redução de eventos relacionados com a aterosclerose elevou rapidamente esses remédios à classe de "medicamentos maravilhosos", com alguns cientistas e médicos defendendo sua utilização mais ampla como uma terapia preventiva para as doenças cardiovasculares.
Usar estatinas, no entanto, pode ter efeitos colaterais, incluindo a perda de memória, problemas musculares e o aumento do risco de diabetes.
Um novo estudo publicado no American Journal of Physiology explica por que as estatinas são benéficas em alguns casos, mas não em outros.
Os autores destacam a importância de ponderar o risco individual quando se considera tomar estatinas como medida preventiva.

Células-tronco mesenquimais
 
A aterosclerose se desenvolve quando se formam placas no interior dos vasos sanguíneos, que podem levar a ataques cardíacos, acidente vascular cerebral e morte. As estatinas diminuem o risco bloqueando a produção de colesterol no fígado, reduzindo o chamado "colesterol ruim".
O que os pesquisadores descobriram agora é que o uso de estatinas a longo prazo impede que as células-tronco mesenquimais (MSCs), que são encontradas por todo o corpo, transformem-se em macrófagos.
Os macrófagos ingerem depósitos de gordura ao longo da parede dos vasos sanguíneos e atraem para o local da lesão mais macrófagos, outras células e proteínas que cuidam das inflamações. Isto pode reduzir a inflamação e melhorar a estabilidade das placas em pacientes com doença cardiovascular.

Inadequadas como medicamento preventivo
 
Mais ainda, as estatinas também impedem que as MSCs se tornem células dos ossos e cartilagens, aumentam o envelhecimento e a taxa de morte das MSCs e reduzem sua capacidade de reparar o DNA.
"Embora o efeito sobre a diferenciação dos macrófagos explique o lado benéfico das estatinas, seu impacto sobre outras propriedades biológicas das células-tronco dá uma nova explicação para os seus efeitos clínicos adversos," escrevem Reza Izadpanah e seus colegas da Universidade de Tulane (EUA).
Assim, de acordo com estes novos resultados, a terapia com estatinas beneficia indivíduos com aterosclerose, mas, por causa de seus efeitos sobre as células-tronco, podem não ser apropriadas como uma medida preventiva para aqueles que não têm doença cardiovascular, escreveram os pesquisadores.


21/09/2015  - Diário da Saúde